sábado, 31 de janeiro de 2009


"Este é, creio eu, um dos aspectos estranhos do nosso tempo, que algumas das medidas mais rigorosas para restringir expressões da consciência pessoal tenham vindo de grupos religiosos uma vez conhecidos por sua defesa da liberdade de consciência.

Alguns talvez digam que o problema não é realmente tão simples como se apresenta aqui, que há outras questões cruciais envolvidas. Que dizer da necessidade de unidade religiosa e de ordem? Que dizer da necessidade de protecção contra os que espalham ensinos falsos, divisórios e perniciosos? Que dizer da necessidade do devido respeito à autoridade?

Quem pode contestar o facto de que o mau uso da liberdade pode levar à irresponsabilidade, desordem, e acabar em confusão e até em anarquia? A paciência e a tolerância podem, da mesma forma, tornar-se nada mais que uma desculpa para a indecisão, passividade e o rebaixamento de todas as normas. Até o amor pode transformar-se em mero sentimentalismo, uma emoção mal dirigida que não atenta em fazer aquilo que é realmente necessário, com conseqüências cruéis.


No entanto, qual é o efeito quando a "orientação" espiritual se transforma em dominação mental, até em tirania espiritual? Que acontece quando as qualidades desejáveis de unidade e ordem são substituídas por exigências que visam uma conformidade institucionalizada e por uma regimentação legalista? Quais são as consequências quando o devido respeito à autoridade se converte em sujeição servil, em submissão total, numa renúncia da responsabilidade pessoal diante de Deus de fazer decisões baseadas na consciência individual?

Estas perguntas devem ser consideradas para que a questão não venha a ser distorcida ou falsificada. O que segue neste livro demonstra de maneira muito nítida o efeito que estas coisas têm nas relações humanas, as posições insólitas e as acções que tomam as pessoas que só vêem um lado da questão e os extremos a que chegam a fim de defender esse lado.

Talvez o maior proveito em examinar isto esteja, creio eu, na possibilidade de ajudar-nos a compreender mais claramente quais eram as verdadeiras questões nos dias de Jesus Cristo e de seus apóstolos, e por que e como aconteceu, em tão curto espaço de tempo, com tanta subtileza e relativa facilidade, um desvio trágico de seus ensinos e exemplo. Os que pertencem a outras afiliações religiosas e que talvez se apressem em julgar as Testemunhas de Jeová, fariam bem em examinar primeiro a si mesmos e a sua própria afiliação religiosa à luz das questões envolvidas, das atitudes básicas que se escondem por trás das posições descritas e das acções tomadas."

Nada a acrescentar...

Sem comentários:

Enviar um comentário