sábado, 1 de agosto de 2009

Amor, Liberdade e Solidão, Osho


Pág.32

“O amor conduz à última experiência – chame-lhe Deus, chame-lhe Absoluto, chame-lhe Verdade. São meras palavras. De facto, a última experiência não tem nome, é inominável, mas o amor conduz a ela.”

Pág.37

“Sofrer com amor não é sofrer em vão. Sofrer com amor é criativo; eleva-o a níveis mais altos de consciência.”

Pág.38

“O amor é uma escada. Começa com um indivíduo, termina na totalidade. O amor é o início, Deus é o fim. Recear o amor, recear as dores crescentes do amor é permanecer enterrado numa cela escura.”

“O amor cria problemas. Você não pode evitar esses problemas por evitar o amor – mas estes são problemas essenciais! Têm de ser enfrentados, encontrados; têm de ser vividos, ultrapassados e deixados para trás. E para os deixar para trás, o caminho faz-se através deles. O amor é a única coisa que vale realmente a pena. Tudo o resto é secundário. Se favorece o amor, é bom. Tudo o resto é um meio, o amor um fim. Assim, independentemente da dor, avance no amor.

Pág.39

“Fluir é o processo de se manter continuamente virgem.”

10 comentários:

  1. O Amor transforma a vida. O resto é um mundo paralelo. Outra dimensão. O Amor faz toda a diferença...

    Já não passava aqui há um tempinho. Acho que estás a precisar de um sorriso, não?

    ResponderEliminar
  2. Concordo especialmente com esta: “Sofrer com amor não é sofrer em vão. Sofrer com amor é criativo; eleva-o a níveis mais altos de consciência.”

    ResponderEliminar
  3. O amor pode ser tudo isso, mas continua a ser interpretado de maneiras diferentes por cada um de nós, e isso inevitavelmente leva a que se criem conflitos entre as pessoas. E infelizmente para muitos o amor não é o mais importante.

    Mas devia ser. Devia mesmo ser.

    ResponderEliminar
  4. Miguel: só o amor interessa, só o amor é real... :)

    Um sorriso faz sempre bem! Mas... o que te leva a achar que eu possa precisar de um? ;D

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  5. Afonso: acho que não percebeste bem a que tipo de amor se refere o autor do texto... ele refere-se ao amor espiritual, ao amor como forma de estar na vida, como filosofia de vida; e não ao amor passional e cheio de apego a que habitualmente associamos a palavra amor. Claro que reflecte sempre a nossa individualidade, mas por ser uma questão muito essencial, é muito semelhante em todos os seres humanos... ;)

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  6. Ah, Afonso... cuidado... sofrer COM amor não é sofrer POR amor... são coisas totalmente distintas... sofrer com amor significa que se a atitude básica da tua vida for o amor (dito de outra forma, talvez, a compaixão, por ti e pelos demais), de cada vez que sofreres (mesmo quando cais da bicicleta e esfolas um joelho), esse sofrimento não será em vão... na verdade, nenhum sofrimento é em vão, mas certamente há maneiras mais interessantes de evoluir... assim se consiga atingi-las... ;)

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  7. Eu quero amar...
    ...mas mais ainda quero ser amado!


    (Eu amar eu sou capaz, não sei é se me conseguem amar, como eu sou capaz!)

    ResponderEliminar
  8. Hummmm... sem desfazer... podemos sempre amar mais e melhor... não é coisa que tenha limites... existe dela uma fonte inesgotável dentro de nós... e quando mais e melhor amares... mais amado serás... e por ser amado, entenda-se... ser compreendido, ser respeitado... :)

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  9. não li o teu texto, mas essa foto é-me muito especial;) adorei!!

    ResponderEliminar
  10. :D Eu sei, eu lembro-me de tu a usares no nosso cha :D

    So podia ser coisa tua ;)

    E maravilhosa, sim, linda!! :D

    Beijoss!!

    ResponderEliminar