quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Preconceito


A nossa mente assenta sobre preconceitos; mas como em todas as nossas missões nesta existência, é precisamente no sentido de contrariar essa tendência primordial que devemos agir. Se temos uma mente que assenta em preconceitos, é suposto que nos desfaçamos ao máximo destes. Atravancar a nossa mente com preconceitos é como atulhar uma arrecadação com objectos fora de ordem; todos eles fazem falta: faz sempre tudo falta, mas para poderem ser devidamente utilizadas as coisas devem estar ordenadas, eventualmente até catalogadas e os caminhos de acesso desimpedidos. Só assim conseguiremos aceder aos objectos da arrecadação quando deles houver necessidade. Um preconceito é uma ideia pré-concebida de forma rígida, sem ter em conta as variáveis da situação a que se aplica. É uma caixa de cartão anónima no meio do caminho: ocupa espaço e impede o movimento. Para uma mente sã não é preciso deitar nada fora, mas é preciso sim ter capacidade para reciclar, a criatividade que é preciso para adaptar velhas coisas a novas situações. O preconceito quer trabalho de análise e não simples repressão do conceito. Tudo aquilo que é reprimido volta a surgir, qual erva daninha.

Inspirado aqui.

2 comentários:

  1. Infelizmente vivemos de pessoas preconceitoosas...vivem num mundo pré concebido...e tudo o que vai além...lhes faz confusão...
    Beijo de um anjo

    ResponderEliminar
  2. Somos todos preconceituosos... podemos é analisar os nossos preconceitos... aprfundá-los, perceber a sua origem, os seus efeitos, isso torna-os mais flexíveis... e em vez serem algo que atravanca o caminho, assim, eles tornam-se aliados...

    ResponderEliminar