terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Amor, Liberdade e Solidão - Osho - Meditação


“Uma pessoa com amor-próprio pode facilmente tornar-se meditativa, pois a meditação significa estar consigo próprio (…) se se detestar, como pode estar bem consigo? E meditação nada mais é que apreciar a sua maravilhosa solidão. Celebre-se; é sobre isso que é a meditação.”

10 comentários:

  1. É o melhor para se reencontrar a paz dentro de nós...beijinhos com muitos Sonhos..

    ResponderEliminar
  2. Realmente é verdade.. pensar um pouco em nós próprios faz de nós melhores..e a arte da meditação faz com que aprendamos a conhecer-nos melhor,a agir e também a ter a paz de espírito suficiente para compreender aqueles que nos rodeiam e a forma como nós nos integramos no mundo.

    jinhos

    PG

    ResponderEliminar
  3. Temos de aprender a aceitar a nós mesmo, e só depois poderemos aceitar os momentos de solidão, ou refugio interior.

    ResponderEliminar
  4. Talvez mais do que isto: a celebração da nossa religação ao Universo. Boa semana, Feliz Natal!

    ResponderEliminar
  5. Angel: de facto, sentir-nos confortáveis connosco mesmos é o melhor que podemos fazer para ajudar toda a Humanidade; é que o mundo em que vivemos é constituído por sistemas onde podem ocorrer trocas, nomeadamente, de energia; nós não somos um sistema fechado, existe entre o nosso interior e o nosso exterior uma troca permanente de energia. Se do nosso interior emanar paz e harmonia, isso reflectir-se-á no exterior. Podemos, portanto, analisar o nosso estado interior através do nosso exterior, uma vez que são espelhos um do outro. Convém olhar o estado exterior como um reflexo do estado interior, uma vez que sobre o estado interior podemos exercer controlo; controlo este que me parece ser suposto que exerçamos, não com base numa tentativa de nos afirmar, mas numa tentativa de nos ajudarmos a nós mesmos, por forma a conseguirmos ajudar cada vez mais e melhor os outros. Face a estes argumentos, podemos sentir alguma injustiça, uma vez que muitos de nós nascemos já em contextos pouco favoráveis, sem termos tido sequer oportunidade de trabalhar o nosso interior. Creio que o contexto em que nascemos está directamente ligado ao contexto em que estivémos "anteriormente", digamos assim. Não querendo com isto dizer que, necessariamente, numa encarnação anterior se tenha asneirado, mas sim que podemos transportar de lá algum tipo de desarmonia.

    Feliz Natal!

    ResponderEliminar
  6. PG: pensar em nós no sentido de reflectir sobre nós. A meditação descansa a mente, aliviando-a do peso dos pensamentos, para que depois tenha uma agilidade diferente, como quem descansa e recupera energias. A meditação permite que a mente entre em estados de consciência mais profundos, mais conscientes e energéticos e simultaneamente, menos desgastantes, mais "leves".

    Boas Festas!

    ResponderEliminar
  7. Secreta: aceitar-nos não significa olhar passivamente para nós mesmos e encolher os ombros face a características que muitas vezes causam problemas quer aos que nos rodeiam, quer a nós próprios. Aceitar-nos significa compreender-nos profundamente, sem sentimentos negativos envolvidos, apenas compreensão, sendo o passo seguinte a análise do que poderemos fazer para melhorar.

    ResponderEliminar
  8. Árabe: voltarmos ao uno... se é que isso pode ser entendido assim. Mesmo quando estamos entre encarnações, o nosso estado pode permanecer ainda ligado à vida que tínhamos, ou então afastar-se mais um pouco... o estado de absoluta fusão com o uno, só quando nos libertamos dos ciclos de encarnações.

    ResponderEliminar
  9. Transcendente: creio que o mundo exterior não é o local certo onde buscar as qualidades... as palavras dependem mais de quem as ouve do que de quem as profere...

    ResponderEliminar