domingo, 10 de janeiro de 2010

Amor, Liberdade e Solidão, Osho - Voar


Pág.45

“O amor é um fenómeno paradoxal. São precisos dois, inicialmente, e no final, são precisos dois para existir como um. É o maior dos enigmas, é o maior dos puzzles.”

“O amor é o voo da sua consciência para reinos superiores, para lá da matéria e do corpo. No momento em que entender o amor como algo transcendental, então o amor não será uma questão fundamental. A questão fundamental é como transcender o corpo, como conhecer algo em si que está para lá – para lá de tudo o que é mensurável.”

Pág.46

“(…) como ir para lá da matéria e abrir os seus olhos para uma maior consciência. E não há limite para a consciência – quanto maior for a sua consciência, melhor você se apercebe de quanto é possível avançar. Quando atinge um patamar, logo outro patamar surge diante de si. É uma peregrinação eterna.”

“O amor é o subproduto de uma consciência elevada. É como a fragrância de uma flor. Não a procure nas raízes, não se encontra aí. A sua biologia é a sua raiz, a sua consciência é o seu florescimento. Á medida que a sua consciência se torna mais e mais como o desabrochar de um lótus, ainda mais ficará surpreendido – levado para trás – por uma experiência esmagadora que só pode ser chamada amor. Encontra-se tão pleno de alegria, tão cheio de beatitude, que cada fibra do seu ser dança em êxtase. É como uma nuvem de chuva que quer chover e salpicar. No momento em que você se encontra a transbordar de felicidade, um fortíssimo desejo surge em si, partilhar. Essa partilha é o amor.
O amor não é algo que se possa conseguir de alguém que não tenha atingido a bem-aventurança. E é esta a desgraça do mundo; todos procuram ser amados e todos dizem amar. Você não pode amar, porque não sabe o que é a consciência. (…) não conhece a verdade, não conhece a experiência do divino e não conhece a fragrância da beleza. O que tem para oferecer? Está tão vazio, tão oco… Nada cresce no seu ser, nada é verdade. Não existem flores em si; a sua primavera ainda não chegou.”

Sem comentários:

Enviar um comentário