sábado, 27 de fevereiro de 2010

Amit Goswami - A Física da Alma, As idéias de reencarnação e de sobrevivência à morte são cientificas?

A alegoria da caverna de Platão deixa a situação clara. Platão imaginou que a experiência humana era um espetáculo de sombras: estamos em uma caverna e atados a cadeiras, por isso enxergamos sempre uma parede, sobre a qual a luz de fora projeta as sombras de formas arquetípicas ideais. Achamos que as sombras são a realidade, mas sua fonte está atrás de nós, nos arquétipos. No final das contas, a luz é a única realidade, pois tudo o que vemos é luz. No monismo baseado no primado da consciência, a consciência é a luz da caverna de Platão, os arquétipos constituem a realidade transcendente e o espetáculo das sombras é a realidade imanente.

Essa visão monista da realidade, à qual dou o nome de idealismo monista, é bastante antiga e constitui a base das grandes tradições espirituais do mundo, motivo pelo qual às vezes é chamada de filosofia perene. No cristianismo esotérico, a base da existência é chamada de Mente de Deus, o mundo arquetípico transcendental é o Céu e o mundo da experiência, a Terra. No passado, era limitada a aceitação científica desta visão, pois os idealistas não podiam explicar conceitos como transcendência e auto-referência (como alguém pode se dividir em um sujeito/ si-mesmo que pode se referir a si mesmo e objeto[s] separado[s] de si mesmo), em termos cientificamente acessíveis. O novo paradigma de uma ciência dentro da consciência, às vezes chamada ciência idealista, começou quando esses conceitos ganharam
credibilidade científica. Isso já foi tema de vários livros recentes, inclusive o meu (Goswami, 1993; Herbert, 1993).

É um verdadeiro progresso. Materialismo é metafísica pura; não há outro modo de constatar objetivamente que tudo, inclusive a mente e a consciência, surge da matéria. A filosofia perene dos antigos era o que podemos chamar de metafísica experimental, pois grandes mestres espirituais de todas as tradições sempre afirmaram ter constatado, de forma direta, que a existência se baseia em uma consciência ilimitada, transcendente e unitiva. Por outro lado, o idealismo monista — a filosofia perene do novo contexto da ciência dentro da consciência — não só é uma metafísica vivencial como experimental, pois, pelo menos em parte, suas idéias metafísicas podem ser comprovadas não apenas por experiências individuais e particulares, como por experimentos aos olhos do público.
Se o indivíduo foi criado na cultura ocidental, ainda bastante materialista, é provável que sua cosmovisão seja um estranho e confuso amálgama de materialismo (a supremacia da matéria) e dualismo interativo cartesiano (o mundo espiritual existe como um mundo separado e independente, feito de uma substância não material que, de certo modo, interage com o mundo material). Não faz muito, as pessoas tentavam provar a existência da alma, demonstrando (de maneira pouco convincente) que um corpo perde peso no momento da morte e violando, assim, o princípio da conservação de energia. Mesmo idealistas monistas confessos mostram-se vítimas da conversa dualista a la Descartes, quando discutem a morte e a reencarnação. Falam de se estabelecer a validade de fantasmas, de aparições, como objetos da mesma realidade física que uma cadeira ou uma árvore. Vejo uma cadeira porque ela reflete a luz para meus olhos. Será que um fantasma, na qualidade de ser não material e de outro mundo, emite um sinal ou reflete a luz, permitindo a meus olhos captá-la? Obviamente, não. Um desafio importante para nossa ciência dentro da consciência é remodelar a discussão dos fenômenos relacionados com a morte e a reencarnação, do ponto de vista monista. Este é o desafio que aceitei enfrentar neste livro. Se quisermos usar conceitos dualistas, será preciso encontrar explicações que não violem as leis da ciência; devemos conciliar esses conceitos em uma visão monista global.

Foi isto que consegui fazer."

2 comentários:

  1. Gostei de ter encontrado este blog. Estou lendo O Universo Autoconsciente e espero ler, depois, A Física da Alma. É bom divulgar as ideias de Goswami. Talvez muita coisa mude nas concepções de muita gente cartesiana.Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Não é fácil compreender os seus argumentos... mas a ideia de encontrar provas cabais para este tipo de teoria parece-me um objectivo a atingir.

    ResponderEliminar