sábado, 27 de fevereiro de 2010

Amit Goswami - A Física da Alma, O Livro Tibetano dos Mortos está certo, cabe a nós comprová-lo!

Voltando ao meu preconceito contra livros dos mortos, minha inquietude durou até Maio de 1994, mais de um ano depois que meu amigo Hugh Harrison se dispôs a estudar comigo a nova física. Eu sabia que, no começo da década de 1980, Hugh e sua falecida esposa, Ruth, fizeram uma exposição chamada Continuum Center, em Bandon, Oregon, que basicamente promulgou a idéia da morte e da vida como uma viagem contínua. De vez em quando, Hugh falava disso e de suas idéias sobre a reencarnação; ele dizia que, se existe vida após a morte, como no cristianismo, então, por simetria, deve existir vida antes da vida. Hugh era simpatizante do movimento da Teosofia no Ocidente, que Madame Helena Blavatsky fundou há mais de 125 anos. Os teosofistas consideram a reencarnação um dos princípios básicos da realidade (Blavatsky, 1968; Judge, 1973). Mesmo assim, eu era bastante evasivo quanto a essas
idéias. Na primeira semana de Maio de 1994, porém, aconteceu algo inesperado. Inesperado e inesquecível. Fui inundado por trabalhos que, na maioria, consistiam em dar acabamento a velhas idéias para publicação, em escrever réplicas etc. A criatividade não estava presente em minha vida, e a vida parecia ter perdido o rumo novamente. Isso me deixou, certa noite, em um estado de rara sonolência. Estava assistindo a um programa de tevê chamado Picket Fences, um episódio que tratava dos problemas éticos da morte. Fui
dormir com um peso no coração, algo que quase esquecera. Mas, pela manhã, em um estado de devaneio, semi-acordado, senti-me muito leve, e o primeiro vislumbre de que o Livro Tibetano dos Mortos estava certo e era útil começou a se formar no céu de minha mente onírica. Na verdade, era mais do que um vislumbre: era um aviso que dizia claramente: "O Livro Tibetano dos Mortos está correto; cabe a você provar isso". Como era sábado, pude me manter em um estado criativo durante quase todo o dia, e, nesse período, algumas novas idéias sobre a morte e a reencarnação como uma teoria científica começaram a ganhar forma. O que proporcionou a luz para poder enxergá-las foi a física quântica. A idéia fundamental que me chamou a atenção foi, em grande parte, a não-localidade quântica. "

Sem comentários:

Enviar um comentário