sábado, 27 de fevereiro de 2010

Amit Goswami - A Física da Alma, O que sobrevive?

"Após a morte, quem somos nós? É claro que o lado pós-morte do indivíduo não pode ser uma entidade física ou corpórea. Assim, a idéia de uma alma incorpórea é popular. É a sua alma que sobrevive à morte de seu corpo, foi o que lhe disseram. E, após a morte, a alma vai para o Céu ou para o Inferno, dependendo da maneira como cada pessoa se sair no dia do seu julgamento.

As imagens que muitos fazem do Céu sugerem que, mesmo lá, alguns seres humanos esperam que seus egos se mantenham intactos, tal como nos filmes de Hollywood. Para essas pessoas, o ego é a alma. No entanto, podemos apresentar objeções a essa crença.

Como obtemos nosso ego-identidade? Naturalmente, as experiências que temos ao longo da vida modelam o ego. É bem provável que a memória dessas vivências seja preservada no cérebro físico. Além disso, as experiências em si (nutrição) não constituem a totalidade do desenvolvimento do ego; parece lógico que nossa dotação genética (natureza) tenha seu papel.

Mas tanto a memória genética como a cerebral são físicas. Com o desaparecimento do corpo e a subsequente decomposição dessas memórias físicas, será que o ego pode funcionar?

Outro argumento contra a alma como ego foi apresentado pelo psicólogo Charles Tart. Em 1990, Tart disse que o corpo e o cérebro são influências estabilizadoras de nossa identidade. Nos sonhos, por exemplo, perdemos a consciência do corpo físico, e veja o que acontece: nossa identidade pode vagar de um corpo onírico para outro muitas vezes, durante um sonho. Nossa identificação, pois, não é estável. Coisas semelhantes acontecem com a privação sensorial e o uso de drogas psicodélicas. A ego-identidade normal e estável que vivenciamos no estado de consciência ou vigília desaparece nesses estados alterados de consciência. Tart acredita que isso pode indicar como é o estado alterado de consciência que atingimos após a morte, a menos que haja outros processos de estabilização que ainda nos sejam desconhecidos.

Portanto, a natureza da alma, a natureza daquilo que sobrevive à morte, é uma questão difícil e controversa. Fica ainda mais controvertida, ainda mais intrigante, quando analisamos as imagens do continuum — a vida e a morte como uma continuidade — de muitas culturas. Não só algo sobrevive à morte, como esse algo retorna em outro corpo após outro nascimento, e assim por diante, dando continuidade ao processo."

Sem comentários:

Enviar um comentário