sábado, 27 de fevereiro de 2010

Amit Goswami - A Física da Alma


Agora que o livro "Amor, Liberdade e Solidão" de Osho está quase a chegar ao fim, e antes de prosseguir com algumas obras cujas análises ainda não foram concluídas, irei analisar esta obra de Amit Goswami, uma vez que, desde que tive conhecimento das duas teorias, senti uma verdadeira curiosidade, ainda que alguma dificuldade na compreensão do que nos pretende transmitir.

"Prefácio
O difícil problema da idéia de reencarnação foi resolvido. Alguém interessado?

Os filósofos sempre tropeçaram na hipótese da reencarnação porque não conseguiam perceber como responderiam à pergunta crítica: o que transmigra de um corpo encarnado para outro, de tal modo que se pode dizer que formam ambos uma continuidade, e como isso acontece? A resposta popular de uma alma que transmigra não é astuta, do ponto de vista filosófico, por causa da dualidade envolvida: como a alma não material interage com o corpo físico?

A resposta dada a tais questões por este livro — baseada na física quântica — é científica e filosoficamente satisfatória. Talvez o leitor esteja se perguntando se a reencarnação pode ser científica. A resposta é positiva, como demonstrarei nesta obra. Com um esquema reencarnatório alinhado comnossa ciência, também podemos lidar inteligentemente com a importante busca da imortalidade, que a tantas pessoas excita. Mesmo o fenômeno OVNI começa a fazer sentido desde um prisma científico, conforme poderá ser visto.

A ciência convencional está fundamentada no conceito de que a matéria é o tijolo constitutivo de todas as coisas. A vida, a mente e a consciência, portanto, seriam meros epifenômenos (fenômenos secundários) da matéria. Sob essa ótica, a morte põe fim a todos os epifenômenos que, de algum modo, manifestam-se nos seres vivos. (No entanto, é revelador saber que nenhum dos paradigmas materialistas conseguiu desenvolver modelos satisfatórios para o surgimento da vida, muito menos para a mente ou para a consciência.)

Obviamente, a questão da reencarnação não faz sentido sob esse prisma."

Sem comentários:

Enviar um comentário